Brasil aceita conversar com México, e acordo pode ser mantido

A notícia de que Brasil e México poderiam romper seu acordo automotivo assustou muita gente.

Nós já pagamos muito caro por modelos que nossos vizinhos pagam bem menos (isso sem citar quanto eles custam na Europa e EUA). Se esse acordo fosse realmente rompido, a situação ficariam ainda pior. Felizmente, porém, os países poderão entrar num acordo. Pelo menos isso é o que publicou o site da Agência Brasil.

Segundo a reportagem, o governo brasileiro aceitou conversar sobre alguns pontos com os mexicanos, tentando resolver o que gerou todo esse problema. Isso ocorreu na última sexta-feira (3), quando a presidente Dilma Rousseff e o presidente mexicano Felipe Calderón conversaram por telefone (por iniciativa dele).

Entenda o caso

O Brasil alega que o acordo entre os países só beneficia o México atualmente, pois a economia brasileira cresceu muito nos últimos anos. Por isso, o governo cogitou a possibilidade de romper de maneira unilateral o acordo. Se isso foi mesmo considerado ou se foi apenas um “aviso” aos mexicanos, não sabemos, mas parece que deu certo.

Segundo o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, as conversas com o presidente mexicano mostraram que eles estão dispostos a mudar o atual acordo e manter sua parceria com o Brasil. Isso deve acontecer na prática nessa semana, quando ministros mexicanos virão ao Brasil para conversar com Pimentel e Antonio Patriota, ministro das Relações Exteriores.

Ainda segundo a reportagem da agência de notícias, as mudanças que serão propostas pelo Brasil envolvem a inclusão de caminhões, ônibus e utilitários no acordo. Hoje ele envolve apenas a importação de automóveis, peças e partes de veículos de passeio.

[Fonte: Agência Brasil via Carplace]