Especial: Saiba como calibrar corretamente os pneus de seu carro

Aumento no consumo de combustível, pneus que duram menos, alteração na dirigibilidade do veículo. Tudo isso pode acontecer se você não calibrar corretamente os pneus de seu carro.

Muitos só se preocupam em fazer isso antes de pegar a estrada, mas você sabia que o correto é calibrar os pneus a cada 15 dias? Nesta matéria vamos falar sobre isso, destacando a importância da calibragem e como fazê-la de forma correta.

Por que eu preciso calibrar os pneus periodicamente?

A calibragem periódica aumenta a vida útil de um pneu. Além disso, ela contribui para que o carro consuma menos combustível e tenha um desempenho melhor. O principal motivo, porém, é a segurança dos ocupantes. Um pneu mal calibrado pode alterar a dirigibilidade do carro e fazer com que o pneu tenha um desgaste excessivo numa viagem.

Em pneus perto do fim de sua vida útil, isso pode ser especialmente perigoso, podendo provocar inclusive acidentes.

Como saber qual a pressão ideal ao calibrá-los?

Se os pneus forem originais, o melhor é seguir as orientações da própria montadora. Você pode encontrá-las no manual do proprietário, na tampa que protege o reservatório de combustível ou no lado de dentro da porta (normalmente, na porta do motorista).

Se você tiver colocado pneus com medidas diferentes, siga as instruções do fabricante. Muitos ainda insistem em calibrar os pneus sempre com a mesma pressão, o que pode ser prejudicial. Pneus com medidas diferentes tem pressões ideais diferentes. Lembre-se também que, se for viajar com o carro cheio ou com bagagens, a pressão deve ser compatível (normalmente a indicação no próprio carro indica a pressão ideal nessa situação) e a calibragem deve ser feita 3 dias antes da viagem.

Segundo a DPaschoal, em média os pneus devem ser calibrados com as seguintes pressões:

– Aro 13: em média, 26 libras
– Aro 14: 28 a 30 libras
– Aro 15: 28 a 31 libras

Que cuidados eu devo tomar ao calibrar os pneus?

O pneu precisa ser calibrado sempre na temperatura ambiente. O ideal é fazer isso próximo de casa, ou esperar o suficiente para que os pneus esfriem, nunca rodando mais de 3 km antes de fazer isso. O motivo é que quando rodamos, o atrito faz o pneu esquentar. Isso aumenta o volume interno de ar e aumenta a pressão, alterando as medições. Talvez o mais indicado é fazer o serviço logo pela manhã, quando provavelmente seu carro ainda não rodou muito no dia.

Se não for possível, o indicado é colocar uma pressão um pouco maior (algo em torno de 3 a 4 PSI, ou 0,3 BAR). Outros cuidados periódicos envolvem o balanceamento e o alinhamento a cada 5.000 quilômetros, além do rodízio de pneus a cada 10.000 quilômetros.

Onde calibrar os pneus?

Se você pensou que a resposta óbvia é em postos de combustível, saiba que nem sempre essa é a melhor opção. O problema é quando os aparelhos de calibragem são usados diretamente pelos clientes, que as vezes não o usam de maneira adequada. Isso faz com que o aparelho perca sua precisão.

Além disso, para que o aparelho do posto seja confiável, ele precisa ser aferido semanalmente, para ver se não existem partículas de água nas mangueiras, que ficam funcionando sem parar. O melhor é procurar lojas de pneus, onde os funcionários farão o trabalho.

Quando eu for conduzir meu veículo em outros terrenos, devo mudar a pressão dos pneus?

A maioria dos terrenos não exige essa mudança, apenas situações extremas. Em terrenos onde há lama ou areia, é recomendado reduzir um pouco a pressão, para que o pneu tenha uma área de contato com o solo maior e sua tração aumente. Se fizer isso, recalibre novamente com a pressão normal o mais rápido possível. Antes disso, evite ultrapassar 80 km/h.

Já em terrenos com rocha ou água, não mude a pressão normal indicada pela montadora, pois isso poderia provocar cortes na borracha (em terrenos rochosos). Mas lembre-se: NUNCA deixe os pneus com pressão inferior a 16 lbs/pol².

É melhor calibrar os pneus de forma tradicional ou com nitrogênio?

Segundo especialistas, o melhor seria sempre calibrar com nitrogênio, pois ele mantém a pressão por mais tempo. Isso faz com que o pneu dure mais, pois ele sofrerá menos desgaste. Por isso que carros de corrida usam apenas nitrogênio. Existem, porém, alguns cuidados que devem ser tomados nessa situação.

Não pense que o uso do nitrogênio substitui a manutenção normal do pneu. Ela deve continuar sendo feita periodicamente. Além disso, se um pneu com nitrogênio furar e você precisar colocar ar comprimido (poucos postos tem o nitrogênio), é necessário esvaziar totalmente o pneu antes. Não é recomendado “misturar” as duas composições.

[Fontes: Pirelli, Dpaschoal e G1]