Confira 4 dicas para driblar a crise com economia e qualidade!

Enquanto muitos setores da economia brasileira ainda lutam para fugir da crise, uma boa parte deles já se conforma em apenas contorná-la. Esse parece ser o caso da indústria automotiva, que tenta de todas as formas convencer o povo a continuar comprando seus caros produtos. Mas, e para nós, consumidores, qual é a melhor saída?

Pesquisas recentes ajudam a explicar melhor o assunto. Por exemplo, segundo o estudo “Connected Car Industry Report”, o Brasil tem uma população que troca de carro, em média, a cada 1,7 ano, enquanto que nos Estados Unidos e no Reino Unido a média é de 3 anos. Isso obviamente gera um custo desnecessário, principalmente quando levamos em conta a melhora na qualidade dos veículos e, principalmente, a crise que enfrentamos.

Se você também concorda que agora é o momento para ficar um pouco mais com seu veículo usado, veja 4 dicas que podem ajudar qualquer um a ser feliz sem precisar trocar de carro:

1 – Cuide do seu veículo TODOS OS DIAS

Manter um carro em boas condições exige um cuidado diário. Sempre fique atento ao posto onde abastece e desconfie do combustível muito barato. Adapte sua forma de dirigir, tornando sua condução mais econômica, o que significa evitar acelerar e frear bruscamente ou andar com o veículo muito pesado. Se tiver dúvidas sobre seu desempenho no assunto, faça constantemente médias de consumo e procure sempre melhorar!

2 – Tenha um cuidado especial com a MANUTENÇÃO

Quanto mais tempo você tem o veículo (ou quanto mais tempo pretende mantê-lo), mais importante é a loja ou o site onde vai comprar as peças de reposição. Fique atento ao que diz o manual, pois ali você encontrará medidas preventivas que evitarão gastos maiores no futuro.

Mesmo assim, porém, todo carro precisa de peças novas com o tempo. Nessa hora o mais importante é pesquisar! Muitas vezes alguns sites, como www.autodoc.es, tem preços melhores do que aquela loja que você sempre levou seu veículo. Veja se o site é confiável, se tem boas referências e vá em frente, pois qualquer economia é válida em tempos de crise!

3 – Se puder, FAÇA VOCÊ MESMO

Algo comum nos Estados Unidos e em países europeus, e que vem crescendo cada vez mais aqui no Brasil, é o famoso “Faça Você Mesmo”. Essa prática consiste em comprar peças e trocá-las em casa. Isso exige um pouco mais de trabalho, tanto na pesquisa para achar a peça certa e no melhor preço, como (e principalmente) na execução do serviço. Mas algo que tem ajudado muitos brasileiros a entrar nessa onda é o que você está usando nesse exato momento, a internet.

Faça uma rápida pesquisa no YouTube, por exemplo, sobre como arrumar qualquer coisa em seu carro, e veja quantos resultados aparecem. São vídeos bem didáticos, que ensinam passo a passo como fazer corretamente aquele serviço.

É claro que algo assim exige algumas ferramentas básicas, mas isso não significa que ele não possa ser feito por você mesmo. Se você não dispõe de tais ferramentas, vale a pena saber como o serviço DEVE ser feito, pois assim você poderá acompanhar o profissional que vai realizá-lo e ver se tudo está em ordem.

Essa pesquisa pode ser feita em qualquer outro caso, desde serviços mais simples até os mais complicados. O necessário, em qualquer situação, é disposição e um pouco de tempo. E o resultado final pode ser um problema melhor resolvido (ninguém vai cuidar tão bem do seu carro como você mesmo!) e uma bela economia.

4 – Deixa as EMOÇÕES de lado

Você está navegando na internet e de repente se depara com a propaganda de um modelo, como o Novo VW Tiguan, lançado recentemente na Europa. É claro que o desejo de ter esse ou qualquer outro lançamento surge, mas já parou para pensar como que as montadoras conseguem vender bem alguns lançamentos mesmo numa época de instabilidade financeira? A resposta é uma tática simples, que pode ser vista desde a propaganda até o vendedor na concessionária: o apelo emocional.

Frases como “você precisa desse novo modelo!” ou “você merece ter esse carro!” são bem comuns e, por incrível que pareça, acabam convencendo milhões de pessoas a entrar numa enorme dívida para ter algo que na verdade não precisam.

Por isso é importante ser racional. Os modelos atuais são feitos para durar mais. E se alguém segue as dicas acima e cuida bem de seu carango, é certo que ele VAI durar. Pense em suas necessidades reais, e faça uma avaliação honesta para ver se seu veículo atual não atende todas elas. E se você chegar à conclusão de que precisa mesmo trocar de carro, faça outra avaliação sincera, dessa vez levando em conta seu bolso. Coloque na ponta do lápis o custo real dessa troca e veja se é o momento para fazê-la.

Conclusão

A mentalidade do brasileiro em relação aos veículos ainda é muito mais paixão do que razão. Essa nunca foi uma boa maneira de encarar o assunto, ainda mais nesse momento de indefinição geral. Mas existe uma boa notícia: não é por que muitos pensam dessa forma que você também precisa pensar assim. Seja racional, olhe com mais carinho para o seu veículo atual e economize!